Dólar segue em baixa com apetite por ativos de risco

Foto: Freepik

O dólar recua ante o real na manhã desta terça-feira, 21, alinhado à tendência internacional nesta véspera de decisões sobre juros do Comitê de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) e do Comitê de Política Monetária (Copom).

Os investidores operam aliviados após a compra do Credit Suisse pelo UBS, os estudos de autoridades norte-americanas para expansão do Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC), caso as turbulências no sistema bancário se agravem, e a esperança de que o Fed faça uma pausa nos aumentos de juros amanhã, embora a maioria dos analistas preveja mais uma alta de 25 pontos-base, igual à do mês passado.

Para o Copom, há consenso no mercado de que a taxa Selic deve ser mantida em 13,75% ao ano, mas há dúvida sobre sinalização de flexibilização monetária no comunicado do encontro.

Nesta terça-feira, uma série de atos de protestos será realizado pelas centrais sindicais contra os juros altos e pedindo a demissão do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Os protestos serão feitos em pelo menos cinco capitais do País (São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife e Porto Alegre).

Com a agenda de indicadores esvaziada, os investidores aguardam ainda o leilão de títulos pós-fixado NTN-B e LFT do Tesouro (11h00) e a participação do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em seminário do BNDES sobre o papel do Estado no investimento de longo prazo (11h40).

Ontem, dólar fechou em baixa, mas os juros curtos e intermediárioas fecharam com viés de alta, influenciadas pela piora das medianas de IPCA no Boletim Focus, enquanto as taxas longas tiveram leve queda com a moeda americana.

O arcabouço fiscal segue no foco, embora já não se espere que saia antes do desfecho do Copom. Segundo fontes, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), “receberam bem” a proposta de arcabouço fiscal apresentada a eles ontem por Haddad.

Às 9h44, o dólar à vista caía 0,21%, a R$ 5,2324. O dólar para abril recuava 0,16%, a R$ 5,2440.

Agência Estado

Mais notícias