Nordeste tem alta de 22,79% em vendas por e-commerce no primeiro trimestre de 2022

E-commerce. Foto: Fecomércio Ceará

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O Nordeste continua registrando um bom movimento nas vendas realizadas pela internet. Para se ter uma ideia, o setor cresceu 22,79% no primeiro trimestre de 2022 frente ao mesmo período do ano passado.

Usando a mesma base de comparação, o faturamento também teve alta: 16,75%. Os dados são do índice MCC-ENET, levantamento desenvolvido pela Neotrust | Movimento Compre & Confie em parceria com o Comitê de Métricas da Câmara Brasileira da Economia Digital (camara-e.net).

Continuando com a avaliação trimestral, na composição regional, o Nordeste ficou em segundo lugar nas vendas online, atrás somente do Norte (27,02%). Já o Centro-Oeste (15,81%) ficou em terceiro, seguido por Sul (14,36%); e Sudeste (9,03%).

“O crescimento das vendas online no primeiro trimestre, comparado ao mesmo período do ano anterior, foi superior a 20%, o que é muito significativo, pois o volume de vendas do ano passado foi expressivo e com recorde, até então, nas vendas não presenciais. Outro indicador de destaque do estudo MCC-ENET foi a penetração das vendas online brasileira em relação ao total do varejo, que em fevereiro de 2022 atingiu 12,4% na média móvel dos últimos 12 meses, o maior valor do histórico medido desde janeiro de 2018″, afirma Gastão Mattos, responsável pela Divisão de Varejo Online da camara-e.net.

Vendas online no Nordeste

Na métrica de vendas por e-commerce, ao comparar os meses de março e fevereiro, teve um boom de 25,57%. Já entre os meses de março (2022 e 2021), a expansão foi de 17,50%.

No ranking regional, usando a comparação entre março e fevereiro, o Nordeste novamente ficou na vice-liderança, seguindo o Norte (28,28%), como destaque. As demais regiões tiveram o seguinte desempenho: Sul (24,73%); Centro-Oeste (20,86%); e Sudeste (20,36%).

Faturamento do Nordeste

O faturamento do setor cresceu 27,81% em março, em relação a fevereiro. Já na comparação entre os meses de março (2022 e 2021), a alta foi de 12,55%.

Na composição regional, usando a base comparativa entre março e fevereiro, o Nordeste mais uma vez ficou na segunda colocação, desta vez, foi o Sul a mais bem colocada (28,21%). As demais regiões tiveram o seguinte desempenho: Norte (27,07%); Sudeste (22,96%); e Centro-Oeste (21,88%).

Metodologia do MCC-ENET

Os índices mensais vêm da comparação dos dados do último mês vigente em relação ao período base (média de 2017). Para compor o índice, a Neotrust | Movimento Compre & Confie coleta 100% de todas as vendas reais de grande parte do mercado de e-commerce brasileiro, utilizando adicionalmente processos estatísticos para composição das informações do mercado total do comércio eletrônico brasileiro. Também são utilizadas informações dos indicadores econômicos nacionais do IBGE, IPEA e FGV.

O MCC-ENET traz uma visão completa a respeito do e-commerce no país a partir da análise das seguintes variáveis: percentual nacional e regional de vendas online, faturamento do setor e tíquete médio. Outras métricas analisadas mensalmente são participação do e-commerce no comércio varejista e crescimento do setor no varejo restrito e ampliado, além da distribuição das vendas por categoria. Por último, a penetração de internautas que realizaram ao menos uma compra trimestralmente pela internet também está contemplada no índice.

Não estão contabilizados no MCC-ENET dados dos sites MercadoLivre, OLX e Webmotors, além do setor de viagens e turismo, anúncios e aplicativos de transportes e alimentação, pois ainda não são monitorados pela Neotrust | Movimento Compre & Confie.

O que é o MCC-ENET: É o resultado de uma parceria formada entre a Neotrust | Movimento Compre & Confie e a Câmara Brasileira da Economia Digital (camara-e.net). O MCC-ENET é o primeiro indicador a fazer um acompanhamento sistematizado da evolução dos preços do varejo online brasileiro. Utilizando uma metodologia confiável e dados reais de vendas dos principais varejistas, é a principal referência como fonte de informações sobre o setor, tanto para as empresas como para agentes do mercado e consumidores.

Mais notícias