No mundo atual, tornar sua startup digital é indispensável. Por Emerson Lima

*Emerson Lima é fundador e CEO da Sauter Digital, startup especializada em Nuvem, Dados e DevOps. Iniciou sua vida profissional realizando a manutenção de computadores e, sua respectiva evolução no ramo foi tão rápida, a ponto de ingressar na IBM na área de tecnologia.

Como líderes empresariais, sabemos que precisamos pensar estrategicamente antes de agir taticamente. Essa abordagem é aplicada a muitas atividades, inclusive digitais. Afinal, para lidar com as oportunidades e desafios que o digital representa para a organização, inúmeros líderes acreditam que precisam de um plano a longo prazo abrangente e bem definido que aborde todas as questões relacionadas à transformação digital.

Não é novidade para ninguém, que a pandemia da Covid-19 acelerou o processo de transformação digital das empresas no Brasil e no mundo. Porém, quando trata-se do famoso digital, apenas seguir as principais tendências com velocidade não é suficiente, ao passo que a maturidade tecnológica pode variar e impactar significativamente os resultados das empresas.

Inclusive, de acordo com o Estudo Nacional sobre Evolução da Inovação de Negócios e Digital, apresentado pela Meta, empresa brasileira de tecnologia com foco em Transformação Digital e inovação, e a Fundação Dom Cabral (FDC), uma das principais escolas de negócios do País, para 67% dos executivos respondentes o principal desafio da transformação digital não é tecnologia, mas sim cultura organizacional. Enquanto, 55% apontam a criação de uma visão estratégica para inovação, e não o desenvolvimento tecnológico em si, como primordial.

De fato, a transformação digital está conectada às inúmeras estratégias das organizações, e não deve restringir-se apenas aos setores de TI. Afinal, a tecnologia está evoluindo em uma velocidade vertiginosa e ninguém pode prever onde estará o digital daqui a um ano, ou o que os clientes exigirão em três anos, por exemplo. Isso exige, sobretudo, que as organizações sejam ágeis e adotem uma abordagem diferente e estratégica para as experiências digitais, envolvendo rapidamente o que diz respeito à execução e experimentação.

É essencial que as organizações pensem na transformação digital desde o início e criem o que chamamos de micro experiências, ou seja, pontos de contato com o cliente de forma sutil, contínua e memorável. Isto contribuirá diretamente na construção de uma vantagem competitiva e, consequentemente, impulsionará a diferenciação.

Mas, como as organizações aproveitam a tecnologia que permite o uso de dados em tempo real, que seja preditiva e acessível de qualquer lugar? Como eles criam micro experiências que ressoam com os consumidores por anos? E, de que forma, é possível criar um modelo interativo que permita encontrar insights e evoluir a experiência do cliente?

Basicamente, as organizações precisam criar experiências digitais que atendam (e até mesmo superem) as principais expectativas dos consumidores — personalização, surpresa e alta funcionalidade de autoatendimento — além das experiências de design inteligentes, sociais, abrangentes e espacial. É possível usar experiências digitais não apenas para resolução de problemas de negócios complicados, como também para impulsionar o engajamento e aumentar a receita.

Pense nisso!

Mais notícias