Ibovespa emenda 2ª alta e sobe 0,64%, aos 126,5 mil pontos

Bolsa de Valores. Foto: Freepik

O Ibovespa se reaproximou de 127 mil pontos na máxima desta terça-feira e fechou em alta de 0,64%, aos 126.538,32 pontos, retornando ao nível da quarta e quinta-feira passadas, no positivo nas últimas duas sessões, após a correção da sexta-feira. No pico de hoje, o índice foi a 126.916,00 pontos, maior nível desde 16 de julho de 2021, então a 128.010,15 pontos Na semana, o Ibovespa avança 0,81% e, no mês, 11,84%, faltando apenas as sessões de quarta e quinta-feira para o encerramento de novembro. No ano, o índice sobe 15,31%. O giro desta terça foi a R$ 22,0 bilhões, em sessão na qual as ações de maior peso se firmaram em sentido positivo, à tarde.

Assim, Petrobras ON e PN terminaram o dia, respectivamente, em alta de 0,93% e 1,51%, enquanto Vale ON avançou 0,22% e os ganhos entre as ações de grandes bancos chegaram a 1,45% (BB ON), à exceção de Santander (Unit -0,16%) no fechamento. Na ponta do Ibovespa, destaque para Marfrig (+6,77%), MRV (+5,41%) e Lojas Renner (+3,90%). No lado oposto, Eneva (-3,06%), Magazine Luiza (-2,55%) e Soma (-2,29%).

“Tivemos uma dia mais favorável com dados da nossa economia, como os do Caged e de inflação (IPCA-15), que contribuíram para dar impulso e ânimo para a Bolsa. Lá fora, as declarações do Christopher Waller, diretor do Fed, sobre a possibilidade de corte de juros (nos EUA), também ajudaram, contribuindo para que o Ibovespa futuro chegasse a bater hoje em 127,5 mil pontos”, diz Rodrigo Moliterno, head de renda variável da Veedha Investimentos.

“Na contramão, as ações do e-commerce sofreram: o mercado esperava delas mais nas vendas da Black Friday, e agora desconta das ações. Por outro lado, a retomada do petróleo ajudou Petrobras, assim como o detalhamento do plano de investimentos da empresa para os próximos cinco anos, no Petrobras Day. Mercado fecha sem grandes surpresas, descolado um pouco de Nova York nesta terça-feira”, acrescenta.

“Nos Estados Unidos, o dado sobre a confiança do consumidor, um dos mais aguardados do dia, veio acima do esperado. Confiança do consumidor em alta reforça a ideia de economia ainda resiliente e aquecida. Aqui, o Ibovespa, na região dos 126 mil pontos, buscou romper as máximas da semana passada”, diz Lucas Serra, analista da Toro Investimentos, destacando que o movimento na curva de juros brasileira contribuiu para desempenho positivo de parte da varejistas listadas na B3, como Lojas Renner, e de construtoras, como MRV – ambos os setores estão entre os mais sensíveis à perspectiva para os juros e o custo de crédito.

No noticiário doméstico desta tarde, dados do Caged mostraram geração líquida de 190.366 vagas de emprego formal em outubro, no teto das projeções para o mês e, portanto, acima da mediana das estimativas, de 135 mil vagas. Mais uma vez, o desempenho foi puxado pelo setor de serviços, à frente do comércio no mês. “O dado de outubro reforça a resiliência do mercado de trabalho formal, em linha com o sugerido pela nossa Pesquisa Empresarial. Para 2023, esperamos criação líquida de 1,7 milhão de empregos formais”, apontam em relatório os economistas do Bradesco.

Também nesta tarde a diretora de Assuntos Internacionais e Gestão de Riscos Corporativos do Banco Central, Fernanda Guardado, disse haver sinais de que o crescimento da economia global está caminhando para um nível compatível com o pré-pandemia, apesar dos indicativos de menor expansão da economia chinesa. “Apesar de tudo que foi feito em termos de política monetária, o mundo está se acomodando, diminuindo o risco de um hard landing este ano”, disse a diretora do BC em evento do Morgan Stanley, em São Paulo.

Nos Estados Unidos, o diretor do Federal Reserve Christopher Waller afirmou hoje que se sente encorajado pelos primeiros sinais de moderação da atividade econômica no país, e que a política monetária parece estar em posição para que a inflação retorne à meta de 2% ao ano. Em evento, Waller disse haver bons argumentos econômicos para que, se os preços ao consumidor continuarem caindo por mais alguns meses, o Fed possa reduzir os juros. “A política monetária está claramente contribuindo para a rápida melhora da inflação”, afirmou.

Por outro lado, outra diretora do Federal Reserve, Michelle Bowman, reiterou hoje a chance de que o Comitê Federal de Mercado Aberto possa ainda voltar a subir juros no ciclo atual para assegurar o retorno sustentado da inflação à meta. Em discurso, Bowman reconheceu a desaceleração recente dos preços, mas alertou que os progressos têm sido desiguais. “Não está claro se melhoras pelo lado da oferta continuarão a reduzir a inflação”, afirmou a diretora, que chamou atenção para a resiliência da economia e também do nível de emprego nos Estados Unidos.

Agência Estado

Mais notícias