Conexão 5G no Ceará: desafios e oportunidades. Por Victor Mesquita

Victor Mesquita, engenheiro de telecomunicações e integrador de produtos da FonNet Networks
Victor Mesquita, engenheiro de telecomunicações e integrador de produtos da FonNet Networks. Foto: Divulgação

A internet é uma ferramenta essencial para o desenvolvimento do nosso país. Com a chegada do 5G, espera-se uma revolução na forma como nos comunicamos e nos relacionamos. Mas, para que possamos aproveitar todos os benefícios dessa nova tecnologia, é preciso enfrentar desafios e buscar soluções que garantam uma conectividade de qualidade e acessível para todos.

O Ceará é um estado que tem se destacado em termos de conectividade, tanto pelo seu número de acessos em banda larga e em rede móvel, como pela sua posição estratégica no globo, que atrai cabos submarinos de fibra óptica, fazendo do Ceará um ponto de conexão com América Central, América Latina, Europa e África.

De acordo com o painel de acessos em banda larga disponível no site da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o Brasil registrou mais de 47 milhões de acessos até novembro de 2023. Sendo o Ceará responsável por, aproximadamente, um milhão de meio destes acessos, ficando na oitava posição. Com relação à conectividade em rede móvel, a tecnologia 4G domina o cenário atual, sendo responsável por 76% dos acessos. Neste cenário, o Ceará ocupa a 12ª posição em percentual de moradores cobertos, alcançando 93% dos cearenses com sinal 2G, 3G, 4G e/ou 5G, em 184 municípios do estado, segundo o panorama da Anatel.

No entanto, sabemos que ainda há muito a ser feito para que a internet chegue a todos os cearenses e estender, de forma democrática, o acesso a uma conexão de qualidade, especialmente aqueles que vivem em áreas rurais ou em localidades de difícil acesso. Para isso, é preciso superar barreiras legais, geográficas e de infraestrutura, que dificultam a expansão da banda larga fixa e da rede 5G no estado.

O 5G promete trazer uma série de vantagens, como o aumento da velocidade, da capacidade, da confiabilidade e da eficiência da rede. Essas características podem impulsionar setores como a educação, a saúde, a agricultura, a indústria e o turismo, criando oportunidades e melhorando a qualidade de vida, além de possibilitar o surgimento de novas aplicações e soluções que ainda não estão no nosso imaginário. Porém, para que o 5G funcione adequadamente, é preciso enfrentar os desafios que envolvem a propagação das ondas de rádio, que são, em sua maioria, diferentes das usadas pela rede 4G e gerações anteriores.

Além da expansão da capilaridade de fibra óptica, algumas das soluções possíveis são a instalação de mais antenas, a utilização de bandas complementares (reuso de frequência ou otimização de espectro) e a adoção de novas tecnologias, como a FWA (Fixed Wireless Access), de novas topologias como a SLS (Street Level Service) e de redes privadas são possíveis soluções para estes desafios.

O Ceará tem tudo para ser um dos protagonistas dessa transformação, mas para isso acontecer é preciso implementar soluções que garantam uma conectividade de qualidade e acessível para todos. Temos que aproveitar a posição estratégica e o potencial econômico para o estado se tornar cada vez mais conectado, inovador e sustentável. Esse é o caminho para ampliar a conectividade a todos, seja ela em banda larga fixa ou móvel, e transformar a sociedade, através da geração de oportunidades na educação, na saúde, em negócios, em entretenimento, e informação.

 

Mais notícias