Ciro confirma que não se candidata em 2026, fala de Cid, Camilo e dispara: “Essa gente que eu criei está destruindo o Ceará”

Foto: Divulgação

O ex-governador Ciro Gomes (PDT) atribuiu sua derrota no Ceará ao problema da polarização. “Bastava ser contra Bolsonaro que a pessoa era Lula? As pessoas esqueceram que Bolsonaro foi criado pelo PT, só pode. E a solução para essa merda é voltar para o que deu origem a ela?”, questiona.

“Pela primeira vez eu me sinto dispensado. Eu tirei 3º em Sobral. Tenha paciência. Estou bem, apenas me senti dispensado”, seguiu.

Por isso, “não vou me candidatar em 2026”. “Minha vocação é a luta pelo povo e o pouco que eu tinha me tomaram. O Collor me levou um apartamento que eu tinha deixado para os meus filhos, por exemplo… o Collor, aquele que foi condenado a 9 anos de cadeia”, desenvolveu. “Essa é a herança que eu recebi na política”. Na ocasião, Ciro perdeu um processo para o ex-presidente.

Sobre o seu irmão, o senador Cid Gomes, de saída do PDT, Ciro destacou que viveu, de fato, um traição. “Eu tenho desavença política e ela é simples de ser entendida. O que o Camilo faz no Ceará é muito grave. Ele nasceu da minha mão, a história do Camilo veio de mim. Ele perdeu eleição por Barbalha, terra deles, duas vezes, e eu preocupado com o Ceará acabei lançando o seu nome”, enfatizou. “Pensei em tirar alguém do Cariri pra ter oportunidade”.

“Você não tem ideia ser traído por alguém que você fez nascer. E o Ceará que perde. O pobre do Elmano, não tinha chance de nada, fica aí se fazendo e cobrindo a esculhambação do Camilo, enquanto Camilo se faz de bom moço”, lamentou o pedetista. A fala foi dada em entrevista no podcast do vereador Pedro Ferreira Mesquita Filho, na noite de ontem, segunda-feira, 4.

“E o Cid ficar contra mim? Sou feliz pela contribuição que eu dei. E essa gente que eu criei está destruindo o Ceará… nunca trocamos insultos, mas ele ficou contra mim. Ele não podia ter feito isso”, disparou.

Mais notícias