Cid Gomes: “Não me considero mais do PDT”

Construtor e arquiteto no Ceará dos diversos partidos ao qual pertenceu desde sua saída do PSDB ainda na metade da década de 1990, Cid Gomes declarou que a debandada que, ao fim das contas, vai implodir o PDT do Ceará, trata-se de um “um movimento coletivo”.

“Eu não me considero mais do partido”, declarou o senador que conseguiu reunir em um salão do hotel Gran Marquise, na Beira-Mar de Fortaleza, cerca de 50 prefeitos do Ceará e mais uma bancada de deputados estaduais e federais que chegam a mais de 15.

Em breve, o próprio Cid e os demais parlamentares que compõem esse “movimento coletivo” devem anunciar seu novo destino partidário. A preço de hoje, o mais provável é o PSB, comandao por Eudoro Santana, pai do ministro Camilo Santana.

Junto com Cid, contra as posições de Ciro Gomes, estão o prefeito de Sobral, Ivo Gomes, e a deputada estadual, Lia Gomes. O quarto irmão de Ciro, Lúcio Gomes, o único que nunca disputou mandatos, ocupa cargo federal (Governo Lula), na Companhia Docas.

Mais notícias