Bolsonaro é internado em SP para passar por novas cirurgias

Foto: Agência Brasil

O ex-presidente da República Jair Bolsonaro (PL) foi internado no período da tarde da segunda-feira, 11, no hospital Vila Nova Star, na zona sul de São Paulo. No local, ele será submetido a duas cirurgias. A expectativa é que Bolsonaro realize a correção de uma hérnia de hiato e passe por um procedimento nas alças intestinais.

No último dia 23, Bolsonaro foi internado no mesmo hospital para fazer os exames preparatórios para as cirurgias. Inicialmente, também estava previsto que ele seria submetido a um terceiro procedimento para correção do septo nasal. Porém, essa terceira cirurgia foi adiada, segundo disse o ex-presidente à agência Reuters.

A internação do ex-presidente ocorre em meio às investigações sobre o esquema de venda ilegal de joias recebidas em missões oficias por integrantes do governo Jair Bolsonaro.

O caso foi relevado pelo jornal O Estado de S. Paulo em março e, agora, segue para uma nova etapa com a homologação da delação premiada do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro.

Como mostrou o Estadão, a delação de Cid preocupa cada vez mais o ex-presidente e sua família. Um interlocutor de Bolsonaro disse, sob reserva, que ninguém no PL tem dúvidas de que mais denúncias contundentes vão aparecer, e não somente relativas ao escândalo das joias.

O ex-presidente já fez cinco cirurgias desde que sofreu uma facada em Juiz de Fora, durante a campanha presidencial de 2018. O último procedimento ocorreu nos Estados Unidos, em janeiro deste ano. No dia 9 daquele mês, um dia após os atos de invasão e depredação das sedes dos Três Poderes por seus apoiadores, em Brasília, ele sentiu dores abdominais e precisou tratar de uma aderência em uma hérnia incisional.

Antes disso, Bolsonaro já havia operado em São Paulo, em setembro de 2019, quando o atentado completou um ano. As outras três cirurgias foram realizadas nos dias posteriores ao atentado, na Santa Casa de Juiz de Fora e depois no Hospital Israelita Albert Einstein.

Agência Estado

Mais notícias