Bolsas da Europa fecham na maioria em alta, exceto Londres, de olho em inflação e balanços

Bolsa de Valores. Foto: Pixabay

As bolsas da Europa fecharam na maioria em alta nesta quarta-feira, 19, em uma sessão com atenção a dados de inflação e a publicação de balanços na região. No caso da zona do euro, os preços ao consumidor apresentaram uma desaceleração, enquanto no Reino Unido, a inflação ficou acima do esperado por analistas, ainda que tenha ficado abaixo do patamar de dois dígitos. O indicador coloca pressão para uma política monetária mais restritiva por parte do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), que vem de uma série de altas recentes de juros.

Em Frankfurt, o DAX subiu 0,08%, aos 15.895,20 pontos. Em Paris, o CAC 40 avançou 0,21%, aos 7549,44 pontos. O FTSE MIB, em Milão subiu 0,15%, aos 27.933,61 pontos. O IBEX 35 ganhou 0,74% em Madri, chegando a 9.491,30 pontos. Já o PSI 20 subiu 0,38% em Lisboa, aos 6.222,32 pontos. Ainda assim, o Stoxx 600 caiu 0,11%, aos 468,12 pontos.

No Reino Unido, a taxa anual de inflação ao consumidor (CPI) desacelerou em março, a 10,1%, mas ficou acima da expectativa de analistas, de 9,8%. Já na zona do euro, a Eurostat confirmou nesta quarta que o CPI anual do bloco arrefeceu em março para 6,9%, atingindo o menor nível em 13 meses. Por outro lado, o núcleo do CPI da região segue preocupando, com salto recorde de 5,7% no mês passado.

No caso do FTSE 100, o índice caiu 0,13%, aos 7.898,77 pontos. Na visão do AJ Bell, as estimativas para os dividendos diminuíram desde o verão do Hemisfério Norte e a primeira rodada de resultados do ano inteiro, registrando pagamentos abaixo do esperado das mineradoras em particular. Espera-se que o HSBC seja o maior pagador individual de dividendos em 2023, à frente da Shell e da British American Tobacco, aponta, enquanto prevê-se que os dez principais pagadores gerem 55% do pagamento total de 2023.

“Apesar dessa decepção, os analistas estão, por enquanto, deixando de lado as preocupações com aumentos nos custos de insumos, taxas de juros, uma possível recessão e preços ainda mais baixos do petróleo. A estimativa consensual implica um crescimento de 11% no dividendo total do FTSE 100 para o ano que acabou de começar”, avalia.

Nesta quarta, a cervejaria holandesa Heineken reiterou suas expectativas para 2023 após divulgar resultados trimestrais, e sua ação saltava 3,95% em Amsterdã. Por outro lado, a ação da mineradora chilena Antofagasta – que é listada em Londres – teve queda de 1,37%, após dados fracos de produção de cobre.

Agência Estado

Mais notícias