Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.

Prefeitura do Rio anuncia início do processo de leilão do terreno do Gasômetro, novo estádio para o Flamengo

Vista aérea do terreno no gasômetro. Foto: Divulgação/Prefeitura do Rio

A prefeitura do Rio de Janeiro anunciou, nesta terça-feira (9), o início do processo de leilão do terreno do Gasômetro, localizado na região portuária da cidade, destinado à construção de um estádio para o Flamengo. O lance mínimo para a aquisição do terreno é de R$ 138,2 milhões, valor significativamente inferior à avaliação de R$ 240,5 milhões feita pela FIPE em 2023, desconsiderando uma área anteriormente desapropriada pela prefeitura em 2021.

O terreno, que foi desapropriado do Fundo Porto Maravilha, gerido pela Caixa Econômica Federal com o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) como cotista único, teve sua finalidade estabelecida no edital como a construção de um “equipamento esportivo com capacidade para receber no mínimo 70 mil pessoas”, o que deve permitir que o Flamengo participe do leilão de forma exclusiva.

A desapropriação ocorreu após anos de negociações lideradas pelo ex-prefeito Paes, envolvendo o Flamengo e a Caixa, como uma solução para resolver impasses anteriores.

Documentos do Fundo Porto Maravilha mencionam o laudo da FIPE, que avaliou o terreno em R$ 240,5 milhões, considerando sua extensão de mais de 86 mil metros quadrados, excluindo a área desapropriada anteriormente pela prefeitura. Em resposta, a Caixa afirmou que “manifestações do banco serão feitas nos momentos oportunos”.

Uma parte do terreno do Gasômetro foi arrendada à empresa de gás natural Naturgy (CEGR3) em 2013 para uso como sede, com concessão vigente até 2027. A empresa já desocupou o local em 2022.

“A Naturgy informa que o terreno do Gasômetro já foi devolvido à Caixa Econômica Federal. Atualmente, a companhia detém apenas uma pequena parcela do terreno”, declarou a empresa em comunicado, sem comentar sobre o destino da parte restante.

O leilão está agendado para o dia 31 de julho, às 14h30.

Mais notícias