Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.

Cearense Hostweb, do Grupo Secrelnet, mira expansão e visa crescer 35% em 2020

Data center da Hostweb. Foto: Divulgação

Átila Varela
atila@focus.jor.br

Com o “boom” de cabos submarinos e players internacionais instalando data centers no Ceará, quem ganha, no fim, são os consumidores. Nessa atmosfera de conectividade, uma das empresas que visam ganhar terreno “dentro de casa” é a cearense Hostweb, pertencente ao Grupo Secrel.

A companhia tem uma meta ousada: alcançar 35% de crescimento no número de clientes e faturamento. “Estamos com um novo data center. Trabalhamos na expansão e seguimos com uma carteira extensa de clientes no Ceará. Nossa atuação vai além, já que atendemos também as regiões Norte e Nordeste”, destaca Marcelo Vargas, gerente comercial da Hostweb.

A companhia possui dois data centers em Fortaleza: um localizado na Aldeota e outro na Serrinha. Este último tem padrão internacional e foi concebido em três etapas. “Ativamos a primeira sala de data center para 2.100 servidores. Nós já temos planejada a segunda etapa”, ressalta com a ocupação de todas as salas, esse número sobe para 12 mil servidores. A companhia mantém em sua lista clientes operadoras de saúde, supermercados de grande porte, além de empresas produtoras de bebidas. “Rodamos a operação da Unimed Fortaleza, Mercadinhos São Luiz e a Diageo”, adianta.

Marcelo Vargas
Marcelo Vargas, gerente comercial da Hostweb. Foto: Divulgação

Por que não a Praia do Futuro?
A Praia do Futuro tem se notabilizado por atrair diversas estações de cabos submarinos para Fortaleza. O hub de conectividade, assim chamado por muitos, atrai data centers. Mas qual a vantagem de instalar um equipamento de armazenagem de dados na Serrinha?

“O center station do cabo submarino faz com que essas unidades fiquem próximas à praia. Alguns montam toda sua estrutura lá para receber os servidores. Mas a tendência é diminuir a vida útil dos equipamentos por conta da maresia. Não é o local mais adequado, apesar de toda tecnologia. A Serrinha foi escolhida por ser um ponto alto, sem alagamentos, instalação de gasoduto e distante da maresia. E o melhor: estamos interligados com o data center da Aldeota”, pontua o executivo.

O resultado, explica, é a maior durabilidade dos equipamentos. “Nos ajuda na implantação e controle da unidade. Conseguimos também manter o consumo de energia bem menor”,  finaliza.

Mais notícias