Brasil atinge recorde histórico de migrações de consumidores ao mercado livre de energia

Foto: Deivyson Teixeira

Cresce em ritmo acelerado o número de empresas brasileiras que optam pelo mercado livre de energia, no qual é possível escolher o fornecedor e negociar condições personalizadas de contratação do insumo. De janeiro a agosto de 2023, mais de 4,8 mil unidades consumidoras aderiram ao segmento, no maior ritmo de migrações de toda a história. Em apenas oito meses, o volume de ingressantes já superou o registrado no ano passado inteiro (4,6 mil), segundo os dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE.

Com esse recorde, o ambiente acumula 35.542 consumidores e já responde por cerca de 37% do consumo total de energia do país. São indústrias e empresas de grande e médio porte, a maioria dos ramos de Comércio e Serviços, que buscam maior liberdade de escolha.

Talita Porto, vice-presidente do Conselho de Administração da CCEE, explica que há um maior interesse porque “o cenário climático favorável e a manutenção de um crescimento baixo da demanda nos últimos anos reduziram os preços, tornando as negociações no segmento muito competitivas. Além disso, vemos um empenho das comercializadoras em alcançar públicos de menor porte, já de olho na abertura prevista para janeiro de 2024”, destaca.

Há um movimento do setor para flexibilização dos critérios de entrada nesse ambiente. A CCEE faz parte dessa força-tarefa e tem contribuído com o Ministério de Minas e Energia – MME e a Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL para uma redução dos requisitos, para que mais consumidores possam acessá-lo. O esforço já resultou na Portaria MME nº 50/22, que a partir do ano que vem permitirá que todos aqueles conectados na alta tensão possam optar por migrar.

A Câmara, que é a organização responsável por tornar possível a compra e a venda de energia em todo o país, também já tem se preparado e reforçado suas operações para receber os novos entrantes do segmento com eficiência e qualidade. Com o objetivo de simplificar o processo de adesão ao mercado livre, a CCEE lançou neste ano um novo modelo de assinatura eletrônica avançada, que utiliza tecnologias de blockchain para permitir que os documentos sejam firmados em poucos cliques.

Distribuição dos consumidores

Mais da metade das unidades consumidoras do mercado livre está concentrada nos ramos de Comércio e Serviços, por serem dois setores com maior capilaridade, e distribuídas nas regiões Sudeste e Sul, onde o nível de industrialização é mais intenso. Entretanto, em termos de consumo, são os ramos ligados ao segmento metalúrgico que historicamente demandam mais eletricidade no Brasil.

Sobre a CCEE

A CCEE é uma associação civil sem fins lucrativos responsável por tornar possível a compra e a venda de eletricidade no país e garantir que esse insumo essencial chegue à população e aos setores produtivos. Desde 1999, reúne geradores, distribuidores, comercializadores e consumidores em um único propósito: desenvolver mercados eficientes, inovadores e sustentáveis em benefício da sociedade. Em suas operações, que envolvem tanto o ambiente de contratação livre como o regulado, liquida anualmente mais de R$ 150 bilhões.

Mais notícias