Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.

Aluguel de usinas solares se torna fonte de renda para investidores no Ceará

Foto: Divulgação

As usinas solares de aluguel surgem como uma nova alternativa de renda para investidores no Ceará. Ao aplicar recursos em uma usina, o comprador adquire um terreno voltado para a construção de painéis solares. O empreendedor que vendeu o terreno fica responsável por construir a infraestrutura, como também conseguir o locatário para a fábrica solar. A maior parte dos rendimentos vai para quem realizou o investimento e uma pequena parte fica com o locatário.

“Todos saem ganhando. Primeiro o investidor que vai receber um aluguel mensal de 2% do valor aplicado. O locatário vai economizar uma conta por ano sem a necessidade de investimento de ter que comprar uma infraestrutura de painéis solar. O próprio empreendedor que vendeu os lotes é quem vai construir e quem vai realizar a manutenção do negócio”, explica o especialista em energia solar e diretor da Sunplena Energia, Lucas Melo.

Para adquirir uma usina, o investimento é de R$260 mil. Esse valor corresponde a dois lotes, com um total de 570m2 de área, já com tudo incluso, inclusive cinco anos de seguro nos equipamentos e a escritura dos lotes. Atualmente, a Sunplena conta com seis usinas, em Amanari, distrito de Maranguape, na Região de Itapipoca e em Aquiraz.

Por mês, as seis usinas geram o equivalente a 52 mil kWh por mês, ou 626 mil kWh por ano, proporcionando um desconto médio anual de mais de R$70.000 para os consumidores. A meta é até o final do ano, com usinas próprias, atingir R$120.000,00 de economia para os clientes.

De acordo com Lucas Melo, já foram vendidas sete usinas no condomínio solar na Região de Itapipoca em menos de dois meses de venda. O quantitativo representa 10% da capacidade total. A meta, segundo Melo, é vender 50% do empreendimento até o final do ano.

Diversificação de investidores

Até o momento, as pessoas interessadas no negócio são tanto pessoas físicas, como pessoas jurídicas. “Temos ambos os perfis. Pessoas físicas se juntaram para investir em uma usina, e tivemos CNPJs que investiram para diversificar o patrimônio da empresa”, conclui.

Mais notícias